Joana: como um passarinho

Viveu sustentada de teimosia e determinação, Mulher-Fortaleza que tudo sabia e muito suportou. Nove filhos nascidos e criados em sua bravura, seu amor e sua fé. E da fé vinha sua força sertaneja que em Deus muito esperava, coisa de quem sabe que Ele não lhe negaria resposta nem amparo. Mesmo o amparo tardando, “O tempo de Deus é outro”. O corpo frágil e cansado não era mais digno de ser a casa de coração e espírito tão nobres e fortes, ela entendeu. A cabeça já não era a mesma, as memórias não queriam ficar. As lembranças fugiam, os rostos embaralhavam, os nomes dos netos insistiam em escapar. Mas também pudera, 20 netos! Difícil guardar o nome de cada um. Mas sabia que eram seus! “Sangue da gente se conhece pelo cheiro”. Com ternura, abençoava cada um. Nosso Senhor nunca há de desamparar. Depois de cuidar de tanto vivente, inverteu o papel com obstinação. Era zelo de gente demais, alguma coisa não lhe parecia certa.

– É. Acho que meu tempo chegou.

– Não fala isso vó, a senhora ainda vai ficar muito por aqui com a gente.

– Vó sabe o que diz.

Um café quente, único pedido, simples e doce como sempre foi a vida da mulher que não conhecia letra e número, mas contava o terço nas mãos em sua reza diária, mesmo nas horas mais difíceis. Os nomes dos santos, esses sabia de cor. Não esquecia nenhum dos protetores ao pedir interseção junto a Virgem Santa, não pela cura, mas pelo que Ela achasse melhor para aplacar seu sofrimento. E se fosse de entendimento ter ela por perto, sob Seu manto sagrado, que a levasse como um passarinho, sem sofrimento e penação.

– Bença, vó.

Os olhos viraram em resposta que a boca já não podia dizer. Adormeceu aos poucos, sem agonia, tão leve e simples que a filha do meio e a mais nova entre as netas não souberam distinguir a princípio se era mesmo sono. Tudo cessou e como um passarinho se foi, cheirando a flor, com o rosto sereno. Era maio, o tempo esfriava, o silêncio da noite anunciando: esse ano a fogueira de Dona Ninha é no céu.

Anúncios

2 comentários sobre “Joana: como um passarinho

  1. De todos os textos de todas as palavras vistas e ouvidas. Nenhuma teve ou terá tamanho significado para mim, ou para nossa família. Obrigado Iza, por descrever em tamanha beleza e simplicidade a história de nossa vó.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s